Links Patrocinados

Pesquisa

Pesquisa personalizada

quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Semente Do Amanhã - Angélica

Angélica

Somos nós que temos força pra lutar
Somos nós que temos tudo pra mudar
Smos nós os responsáveis pelo bem
Livrai do mal essa semente do amanhã
Se a nossa mão conduz
Que tudo seja luz

Somos nós que construímos a nação
Somos nós que temos tudo em nossas mãos
Somos nós que acreditamos nesse ser
É o presente pro futuro renascer
Brilhar na escuridão
Abrir o coração
Tirar a flor do chão

Por que o homem faz assim?
Por que pisar nesse jardim?
Por que o mundo é tão feroz?
Por que calamos nossa voz?

Pra uma criança a gente dá a mão
Porque sozinha não tem saída
Vamos abrir o nosso coração
Por uma criança a gente dá a vida
Pra uma criança a gente dá amor
Pois ela é a terra prometida


sexta-feira, 17 de julho de 2015

Que Mal Te Fiz Eu ? - Gusttavo Lima

Gusttavo Lima


Não entendo
Porque não me falas
E viras a cara
Cada vez que passo junto a ti

Não entendo
Todo esse veneno
Que por aí espalhas
Quando tem conversas sobre mim

Por que
Tu sentes tanto rancor
De um homem que te amava e te queria
E tu deixaste, diz
Fala tudo, por favor

Que mal te fiz eu?
Pra me tratar assim como um farrapo
Um vagabundo, um pobre coitado
Já não bastava ter matado o nosso amor

Que mal te fiz eu?
Para tu depois vir me tirar a vida
E quer me ver crucificado ainda
Não te bastava a dor que teu adeus deixou?

Eu te peço, por Deus
Diga que mal te fiz eu

Por que
Tu sentes tanto rancor
De um homem que te amava e te queria
E tu deixaste, diz
Fala tudo, por favor
Que mal te fiz eu?
Para me tratares assim como um farrapo
Um vagabundo, um pobre coitado
Já não bastava ter matado o nosso amor

Que mal te fiz eu?
Para tu depois vir me tirar a vida
E quer me ver crucificado ainda
Não te bastava a dor que teu adeus deixou?

Que mal te fiz eu?
Para me tratares assim como um farrapo
Um vagabundo, um pobre coitado
Já não bastava ter matado o nosso amor

Que mal te fiz eu?
Para tu depois vir me tirar a vida
E quer me ver crucificado ainda
Não te bastava a dor que teu adeus deixou?

Eu te peço, por Deus
Diga que mal te fiz eu

Eu te peço, por Deus
Diga que mal te fiz eu


terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Medo de quê? - Renato Teixeira

renato teixeira


Os caminhos todos temos mesmo um dia que passar
O sentido desta vida é ir em frente, caminhar
O amor é uma flor que nasce em qualquer lugar
E essa flor um dia a gente colhe

O destino rola solto feito bola de bilhar
O futuro nunca dorme, seu trabalho é te puxar
Você pode ser caipira, não lhe custa, é só tentar
A razão é sua, escolha como usar

Não há segredo, não há segredo
Medo de quê?

Não me diga qual o drama que eu não quero nem saber
Quando o sono pega forte só nos resta adormecer
Se eu me sinto numa boa posso tudo compreender
O segredo é que não há segredos

Não há segredo, não há segredo
Medo de quê?

Os cavalos, galopando, galopam que nem você
E os motores dessa vida são difícei de entender
A escolha é sempre simples, o difícil é decidir
Tudo é novo no que está por vir

Não há segredo, não há segredo
Medo de quê?

Os caminhos todos temos mesmo um dia que passar
O sentido desta vida é ir em frente, caminhar
O amor é uma flor que nasce em qualquer lugar
E essa flor um dia a gente colhe...


segunda-feira, 11 de março de 2013

Pilares - Miro Saldanha

Música, Nativista, Gaúcha, Pilares, Miro Saldanha, Sentimento, Devoção, Pai, Filho, Verdade, Ensina
Miro Saldanha


Declamando:
"Senhor dos céus e da terra, fonte do afeto mais puro
Perdão, se só te procuro quando me encontro em desgraça
Mas, reconduz nossa raça aos padrões do inicio
Para que o teu sacrifício não tenha sido de graça."


Pai, vim conhecer tua morada, me renovar na tua proteção
Vim seguindo os teus passos pela estrada
Com a alma no olhar, chapéu na mão
Meu sangue tem o sangue dos caudilhos
Meu mundo foi o lombo de um cavalo
Mas esse mundo novo é o dos meu filhos
E sendo pai bem sabes do que falo
O homem por ser livre criou asas
E fez da liberdade uma prisão
Tá tudo errado pai, caiu a casa.
Por isso eu vim te abrir meu coração


refrão
Me ajuda Pai, quero criar meus filhos
Do jeito que meu pai criou a mim
Me ensina a vencer tantos empecilhos
E acreditar no certo até o fim
Que a força da verdade ainda vale
Do jeito que valia lá da onde eu vim
Pois temo que meu filho um dia fale
Verdades mudam. Pai não é assim.


Tentei falar do amor e do respeito
Do tempo em que se amava uma vez só
Disseram que eu revisse os meus conceitos
Pois tudo que está velho vira pó
Vejo meninas moças se vendendo
Já cegas pelo brilho dos anéis
Casamentos de amigos se perdendo
Jogados pelo ralo dos motéis
Não deixa pai que caiam os pilares
Os poucos que ainda estão de pé
Lá fora a droga ronda nossos lares
E eu vim aqui pra não perder a fé


Refrão

Que a força da verdade ainda vale
Do jeito que valia lá da onde eu vim
Pois temo que meu filho um dia fale
Verdades mudam. Pai não é assim.



segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Maior Abandonado - Barão Vermelho

Barão Vermelho, Tributo a Cazuza, Rock Nacional, Roberto Frejat, Letra de Música,


Eu tô perdido
Sem pai nem mãe
Bem na porta da tua casa
Eu tô pedindo
A tua mão
E um pouquinho do braço

Migalhas dormidas do teu pão
Raspas e restos
Me interessam
Pequenas poções de ilusão
Mentiras sinceras me interessam
Me interessam

Eu tô pedindo
A tua mão
Me leve para qualquer lado
Só um pouquinho
De proteção
Ao maior abandonado

Teu corpo com amor ou não
Raspas e restos me interessam
Me ame como a um irmão
Mentiras sinceras me interessam
Me interessam



sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

A Hora é Agora - Jorge e Mateus


A hora é agora - Jorge e Mateus

Aumente o som,
Pra ficar bom a nossa festa não tem hora pra acabar
O teu sorriso, abre as portas do paraíso
Vem comigo pra gente dançar

A melhor hora, sempre é agora
E o melhor lugar é sempre onde você está
E a luz nunca se apaga, juízo sempre acaba
E a nossa música vai começar

Paz e amor
É o que eu quero pra nós
E que nada nesse mundo cale a nossa voz
Céu e mar e alguém para amar
E o arrepio toda vez que a gente se encontrar
Nunca vai passar,
Mesmo quando o sol chegar


domingo, 14 de outubro de 2012

Vila do Sossego - Zé Ramalho

Música, Nacional, Toturas, Passatempo, Querubins, Letra da Música
Zé Ramalho



Oh, eu não sei se eram os antigos que diziam
Em seus papiros Papillon já me dizia
Que nas torturas toda carne se trai
E normalmente, comumente, fatalmente, felizmente
Displicentemente o nervo se contrai
Ô, ô, ô, ô, com precisão


Nos aviões que vomitavam pára-quedas
Nas casamatas, casas vivas caso morras
E nos delírios, meus grilos temer
O casamento, o rompimento, o sacramento, o documento
Como um passatempo quero mais te ver
Ô, ô, ô, ô, com aflição


Meu treponema não é Pallidum nem viscoso
Os meus gametas se agrupam no meu som
E as querubinas meninas rever
Um compromisso submisso, rebuliço no cortiço
Chame o Padre Ciço para me benzer
Ô, ô, ô, ô, com devoção


Músicas Inteligentes

Opine, decifre e interprete as músicas que trazem alguma mensagem em suas letras! O que o compositor quer dizer com isso? Comente!

Uma Frase...